Torá em Português

Parashat Yetro

Eu quero ver você lá!

Tradução de español: David Abreu

O povo estava aos pés do Monte Sinai prestes a experimentar o momento mais sublime da história da humanidade. Eles testemunhariam a reunião do Céu e da terra, instante em que - segundo o Midrash - até os pássaros pararam de cantar e o mar seu rugido.

‘E o Eterno disse a Moisés:‘ Vá ao povo e santifique-o, hoje e amanhã ’(Shemot 19, 10).

O Midrash diz que a palavra 'amanhã' aqui não significa necessariamente o 'dia seguinte'. Existem 'amanhãs' na Torá que significam 'depois de um tempo' (Mehilta Shemot 13, 14).

Que necessidade havia de pensar no ‘amanhã’ face ao tal ‘HOJE’? Por que pensar no dia seguinte?

Acontece que não basta ser santo aos pés do Sinai; lá tudo é santidade e a pureza do nosso coração deve ser esperada. O complicado é ser santo quando a experiência do Sinai terminar. Quando vamos ao supermercado, voltamos ao trabalho todos os dias e voltamos à escola e à universidade. O desafio é ser santo nesses lugares.

Há algum tempo, eu estava assistindo a um documentário sobre a vida dos judeus Haredim (ultraortodoxos) em Jerusalém.

Suas opiniões não eram desprovidas de autocrítica. Eles não mostraram intenção de esconder as migalhas debaixo do tapete. E de repente, um deles pegou o microfone nas mãos, olhou para a câmera e disse:

‘Em nosso mundo, todos nós respeitamos a kashurut (dieta de alimentação judaica), todos nós respeitamos o Shabat e os feriados, todos respeitamos as três orações diárias ... O que ainda não aprendemos é a respeitar uns aos outros no ônibus !! '

A mensagem da Torá é que comer comida kasher é essencial. Mas não adianta ter comida kasher em casa e comportamento taref (não apropriado) na rua.

Uma das lições fundamentais do Judaísmo é que a busca pela santidade, o encontro com Deus, não se limita às paredes da sinagoga, nem se restringe ao dia do Shabat ou Monte Sinai. Temos a capacidade de transformar qualquer uma de nossas ações em uma experiência aos pés do Sinai.

Martin Búber disse certa vez que o judaísmo não busca escapar do profano à presença purificadora de Deus, mas, ao contrário, nos convida e nos ensina a introduzir a presença de Deus no profano e no cotidiano.

Ser santo aos pés do Monte Sinai é fácil. O difícil é ser santo no dia seguinte, quando voltamos ao mercado, quando os pássaros cantam de novo, o mar ruge de novo e o mundo volta ao seu curso normal. “Eu quero ver você amanhã!” Diz Deus.